Lara Suliano fala sobre seu primeiro livro, profecias e a proximidade com Deus

Jornalista e escritora lança "Uma Mulher Samaritana entre homens e Deus"


Lara Suliano fala sobre seu primeiro livro

Lara Suliano falou sobre o seu primeiro livro, uma obra testemunhal que estimula o leitor a descobrir a si mesmo e despertar sonhos.

O lançamento acontece na cidade de Lauro de Freitas/Bahia, no templo Tabernáculo do Espírito Santo liderado pelo Apóstolo Adilson, nos dias 12 e 17 de setembro. Em Fortaleza, o lançamento está previsto para setembro no Ministério Apostólico 100% Trigo. A Editora Ágape irá divulgar a cidade e local de lançamento.

Ela conversou com o Gospel Prime sobre sua obra:

O que o levou a escrever esse livro?

Eu tinha vinte e dois anos quando alguém falou que um dia iria escrever um livro sobre minha vida. Dez anos depois de fato escrevi esse livro. Antes de me converter, eu era uma atleta de fisiculturismo residindo nos Estados Unidos, mas até então não tinha nada de extraordinário para se contar em um livro.

Frequentando os círculos de orações no começo da minha caminhada cristã passei a receber profecias a respeito de uma carreira literária. De repente, dei-me conta que tinha uma história de vida envolvida com o sobrenatural de Deus que merecia ser passada a diante. Porque não é apenas um testemunho, mas um estímulo de descoberta de uma nova identidade para o leitor(a).

Uma mulher samaratina – Lara Suliano

Qual a motivação do título ‘Uma Mulher Samaritana’?

Acredito que a mulher samaritana é mal compreendida até hoje. Nós que estudamos comunicação sabemos que há uma tendência a seguir a opinião da maioria. A bíblia não diz que ela foi uma prostituta ou estava na última condição como amante.

Mas diz que teve cinco maridos e estava com um homem que não era seu marido. A questão sobre ela ir buscar água em horário inapropriado por motivos de exclusão social é aceitável, porém não justificável.

No século passado, por exemplo, uma mulher divorciada de um único marido era excluída socialmente, ainda que excluída e malvista não implicava dizer que exercia a prostituição no sentido mundano.

Porém prostituição para Deus é também sexo fora do casamento, sendo assim, quando a mulher escolhe se envolver sexualmente com um homem fora do casamento (ambos solteiros), esse homem não é seu marido para Deus. Pois para Deus sexo só pode haver entre marido e esposa. O título do livro se refere a um comportamento mundano de sexo ilícito – o que inclui sexo entre ficantes, namorados, noivos e todo tipo de união fora do casamento divino.

Ao lermos o livro, fica uma pergunta: quanto de ficção e quanto de realidade há?

Não há nada de ficção. É um livro para quem crê no sobrenatural de Deus. Claro que os diálogos com o Mensageiro (personagem que representa o Espírito Santo) foram escritos para dar sentido e cronologia à história, porém de fato eles existiram em um momento ou outro, inclusive no momento da escrita do manuscrito (a maioria deles).

Porque uma vez que desenvolvemos intimidade com Deus, Ele está envolvido em cada atividade e ação de nossas vidas. Não quero jamais fazer algo sem que Deus esteja envolvido.

Como foi o processo de escrita? Alguma obra serviu como modelo de inspiração?

Foram cinco meses escrevendo esse primeiro volume, a continuação está prevista para 2019. Instruída pelo Espírito fui mais fiel possível aos acontecimentos preservando as identidades das pessoas envolvidas.

Ele tem uma linguagem mundana, pois está repleto de pensamentos da antiga criatura que ao longo da caminhada cristã, assim como o meu caráter, a história ganha qualidade bíblica. É um livro que facilmente é lido no meio secular, sem perder a essência cristã.

O que particularmente considero uma tarefa difícil: a inclusão de uma mesma obra tanto para o meio secular e cristão. Mas um cristão bem maduro irá saber extrair o que é bom da obra. Eu me inspirei no livro ‘Comer, rezar e amar’ como estilo de narrativa e como eu poderia expor minha velha identidade a fim de tocar pessoas que se encontram na mesma situação que um dia já estive.

Qual a mensagem principal e o público alvo?

Com certeza o primeiro público alvo são pessoas que não conhecem a Deus em comunhão e intimidade; que não sabem quem elas são em Cristo, assim como aquela mulher de Samaria – motivo que levam as pessoas a buscarem o preenchimento do vazio seja em relacionamentos, drogas, festas e todo tipo de artifício enganoso.

É um livro publicado por um selo cristão e de fato não deixa de ser profundo no que diz respeito à espiritualidade. A mensagem principal é conhecer verdadeiramente a Cristo para conhecer quem somos, fazendo aquilo que jamais poderíamos e chegar onde jamais chegaríamos sem Ele.




Deixe seu comentário!